Como eu responderia: “fale sobre você”​ na entrevista de emprego

O currículo bem escrito é só o início de um processo seletivo bem-sucedido. Há um grande desafio ainda por vir: a entrevista.

O nervosismo inevitável na hora da entrevista, se não estiver sob controle, pode dentre outras reações do nosso corpo e mente, nos fazer esquecer tudo que gostaríamos de falar e quando a entrevista acaba, dá vontade de abrir um buraco no chão ou de voltar no tempo e fazer diferente. Já fui entrevistada também me senti assim algumas vezes.

No papel de recrutadora, percebo os candidatos sem saber exatamente como responder: Fale sobre você”. E a confusão se dá porque nem sempre há um direcionamento específico do recrutador, ou seja, o candidato pode falar o que quiser e justamente por isso, se perde. Sempre que faço esse pedido, consigo enxergar os balõezinhos sobre a cabeça dos candidatos com os escritos: Falo da minha vida pessoal, profissional, minhas forças pessoais e minhas oportunidades de melhoria, se tenho cachorro, gato, periquito ou papagaio? Socooooooooooooorro!

Quando pedimos para que fale de você, normalmente no início da entrevista, pretendemos conhecer sua auto percepção, comparar e complementar a impressão que tive de você ou simplesmente como forma de iniciar a entrevista e para isso, conhecê-lo sob sua própria ótica. Mas também pode ser que o recrutador pretenda avaliar sua capacidade de sintetizar informações.

Mas o fato é o há um nítido desconforto do candidato frente a esta pergunta. E o que eu mais ouço é: Como é difícil falar da gente mesmo, né?”

Como eu responderia "Fale sobre você"​ na entrevista de emprego

E é mesmo. Embora pareça, não é uma pergunta simples e não deva ser subestimada, então se preparar é a melhor forma de respondê-la. Afinal, não dá para desperdiçar a chance de causar uma boa primeira impressão. No entanto, a missão fica ainda mais difícil para quem não tem conhecimento sobre si mesmo.

A verdade é que não há resposta certa ou receita de bolo, mas há algumas boas práticas que posso contribuir para que você seja mais assertivo (a) em sua resposta.

O primeiro ponto é que não há problema nenhum em pedir para o recrutador ser mais específico, caso você tenha essa necessidade. Então, entenda o que ele (a) gostaria de saber.

O segundo ponto é que, independente do que o recrutador queira saber, a ideia é que você se apresente e de forma sucinta, resumida.

O principal erro dos candidatos é começar a contar sua trajetória profissional de forma detalhada e extensa. Mas vamos parar para pensar: Faz sentido que você use este espaço para detalhar suas experiências profissionais anteriores de forma detalhada, em um monólogo extenso se a entrevista está apenas começando?

Tenha calma. O entrevistador guiará você rumo a tudo o que ele quer e precisa saber e entender a cerca das suas experiências profissionais, desafios, forças pessoais, oportunidades de melhoria, expectativas.

Como eu responderia:

Aline Mantellatto

Eu tenho 32 anos, sou casada, sou mãe de uma cachorra sapeca e trabalho na área de RH desde 2005. Eu decidi ser psicóloga aos 10 anos de idade quando fui ao psicólogo com a minha mãe e me encantei. Mas por escolha e paixão e por amar o desafio de trabalhar com e para pessoas, eu entrei na área de RH como estagiária durante minha graduação em Tecnologia em Gestão de RH e foi uma verdadeira escola. Eu era responsável por rotinas de Administração de RH. Em seguida comecei minha graduação em Psicologia e migrei naturalmente para a área de Recrutamento & Seleção, área que já brilhava meus olhos. Nos últimos anos, componho o time de DHO e além de Recrutamento & Seleção, suporto meu time nas ações de desenvolvimento humano também. Minha especialização é em Psicologia Organizacional e do Trabalho e escolho fazê-la por que entendo que posso contribuir com minha experiência, conhecimentos, paixão e por meu alto nível de energia na área Organizacional.

E ainda poderia incluir meus anseios profissionais e os motivos que levam a querer compor o time daquela empresa ou justificar meu interesse pela posição vinculando-os com meus objetivos profissionais.

 Eu disse o que eu julgo como as principais coisas sobre mim para um início de conversa, mas sem prolongar e aprofundar.

Para estar pronto é preciso se preparar, é preciso revisitar sua história e elencar os pontos altos da sua vida e carreira na sua perspectiva. Se o recrutador te deixou livre para falar um pouco sobre você, fale sobre você .

Glassdoor divulgou dicas práticas que vão ao encontro da forma como eu responderia e compartilho com vocês aqui neste artigo:

  1. Comece falando brevemente sobre sua vida pessoal;
  2. Continue falando sobre a base da sua carreira. Se você tem uma história interessante por trás de suas decisões de carreira, conte;
  3. Foque em sua última experiência profissional;
  4. Conte sobre suas principais habilidades;
  5. Finalize com seus objetivos profissionais.

A pessoa que melhor pode contar sua história, é você mesmo. Empodere-se dela.

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.