As valiosas lições que aprendi em 12 anos recrutando e selecionando pessoas
Recrutamento & Seleção

Foi em 2020, um dos anos mais difíceis para todos, que pude verdadeiramente me conectar comigo, rever escolhas, fazer novas, priorizar e valorizar o que para mim é mais importante para mim.

Neste mesmo processo autorreflexão, pude perceber e compartilho com você, as valiosas lições que aprendi em 12 anos recrutando e selecionando pessoas.

Recrutar pessoas era o que eu imaginava fazer quando na verdade eu não tinha nem certeza se era o que eu gostava ou o que de fato eu iria fazer.

Eu me lembro como se fosse hoje. Fui contratada para ser estagiária na área de Recursos Humanos de uma empresa nacional do ramo alimentício na área de Administração de Recursos Humanos. Eu organizava prontuários, cadastrava novos funcionários no sistema, registrava carteiras de trabalho, gerava contratos de trabalho, ministrava o treinamento de integração e atendia os funcionários no balcão de atendimento.

Eu adorava o que eu fazia e dei o meu melhor, o que me rendeu uma efetivação para auxiliar de recursos humanos e não muito tempo depois, uma promoção, para assistente. 

Minha promoção tinha uma condição. Que além de eu fazer tudo o que já fazia, teria que dar suporte para a recrutadora no processo de recrutamento e seleção. Eu fui, um pouco resistente com a mudança, insegura por pisar em um terreno novo, mas logo o recrutamento & seleção me pegou de vez e não sei dizer em que momento, eu decidi que era isso o que eu queria fazer.

A faculdade de Psicologia me aproximou ainda mais da área e hoje, 12 anos depois, é o que sei fazer de melhor e com todo amor.

Ao longo dessa jornada, acertando, errando e aprendendo, posso com clareza, refletir sobre as grandes lições que aprendi e que me tornam hoje, uma pessoa e profissional melhor.

As valiosas lições que aprendi selecionando e recrutando pessoas

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

1- Recrutar e selecionar pessoas é uma dádiva

Por muito tempo, por falta de experiência, maturidade ou de autoconhecimento, eu acreditei que recrutar e selecionar pessoas fosse um processo como outro qualquer, pois, é assim que nós profissionais da área somos vistos pelos nossos chefes e pelos clientes internos ou externos. E tudo bem que nos vejam assim.

O que não está tudo bem é que eu também enxergue desta forma e me dê por convencida. Então, ao longo dos anos, eu aprendi que além de um processo, recrutar e selecionar pessoas é uma dádiva, um presente. É a oportunidade que tenho de estar conectada com as pessoas, com suas histórias e seus propósitos e isso vale muito.

2 – Olhar nos olhos importa

A vida de recrutador é frenética. Os prazos são apertados e a pressão é grande. É meio que assobiar, chupar cana e ainda falar ao telefone.

Uma vez, no meio de tantas vagas, fiz uma entrevista tão no automático e não olhei nos olhos daquela pessoa, que foi contratada, seu tornou minha amiga e certo dia, me deu este feedback: você não olhou nos meus olhos. Talvez fosse um dia ruim, embora não justifique. 

Minha alma doeu e eu caí em mim. Deste então, olhar nos olhos se tornou minha prioridade. 

Agora, em meio ao digital, além dos olhos, os meus ouvidos precisam estar cada vez mais afiados. 

Não me perder do que é mais valioso em meio ao ritmo frenético no recrutamento e seleção de pessoas, é minha prioridade.

3- A sua história importa

A entrevista de emprego é um dos métodos para conhecer o melhor perfil para cada vaga aberta. Então, conhecer seu histórico profissional e de carreira, sua formação acadêmica e a razão pela qual devo te contratar são necessários. Mas conhecer sua história, sua luta, seus valores, são tão importantes quanto. É assim que identifico seu verdadeiro valor, sabia? 

Conte mais sua história para os recrutadores. Se ele não demonstrar interesse em ouvir, repense ao seu interesse por aquela empresa

4 – Que nem tudo são flores

Tudo tem o outro lado, não?! O ônus de recrutar e selecionar pessoas é ter que dizer não para a maioria das pessoas.

Minha forma de contribuir com cada uma delas é encorajando-as a olhar para sua história, buscar seu valor e desenvolvimento pessoal constante para estar competitivo diante dos seus concorrentes.

Além disso, que m contratada, normalmente é quem acolhe no dia do desligamento. Haja coração.

5- Tem valido a pena 

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Enquanto eu escrevia este artigo, coincidentemente ou não, eu recebi pelo direct do meu Instagran (@renovecomaline) a mensagem de uma profissional que há alguns anos atrás foi aprendiz em uma das empresas que eu trabalhei. Tive a oportunidade de pegá-la pela mão e ensinar tudo o que sabia. Mas ensinar pelo exemplo não tem preço.

Ela me escreveu: “Eu quero que saiba que você foi minha inspiração […]. Quero ser como você. Uma profissional exemplar, mas também uma humana maravilhosa.”

O meu coração transbordou.

A minha conclusão é que deixar minha marca nas pessoas, contribuir e despertar o melhor de cada uma delas, apesar dos desafios do dia-a-dia, tem valido a pena. 

Eu continuo escolhendo todos os dias ser uma pessoa de pessoas e para pessoas. É o que faz meu coração vibrar.

Minha jornada tem me feito olhar, além das empresas, também para as pessoas que estão buscando seu novo emprego.

Buscar emprego, fazer entrevista, receber vários “nãos” não é fácil não, minha gente. Gera ansiedade, expectativa, frustração, mexe com a autoestima. 

Mas você não está só e não precisa passar por isso só, conta comigo

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.